O Ciclismo Paralímpico ou apenas Paraciclismo é uma categoria ciclística para pessoas com deficiência física.

A história do paraciclismo tem origem na década de 80 com o uso de Tandem Bike por deficientes visuais acompanhados de um guia. Com o passar do tempo a partir de uma conscientização processual, outras adaptações do paraciclismo começaram a ser feitas surgindo assim novas categorias de acordo com diferentes tipos de deficiência física.

Atualmente os equipamentos utilizados na categoria vão desde bicicletas convencionais a triciclos, tandem bikes e ainda as HandBikes, a escolha do quipamento varia de acordo com a modalidade paraciclistica e com a necessidade do atleta que a utilizará. As modalidades da categoria são duas: Pista e Estrada.

Paraciclismo de Pista

 

A modalidade de pista teve origem na metade da década de 90 e tem hoje muitos adeptos. Nessa modalidade existem três principais eventos que determinam a composição da competição que são perseguição (pursuit), Sprint e Contrarrelógio.

Na perseguição a competição se dá com a participação de dois competidores que se posicionam opostamente e vence aquele que conseguir alcançar em menor tempo o outro competidor. No Sprint a competição é realizada com a participação de dois ciclistas por vez sendo que vence aquele que conseguir em menor tempo concluir as três voltas determinadas no velódromo. É considerada uma competição estratégica pois os competidores podem se estudar para decidir quando dar sua maior potência. Já no contrarelógio os atletas percorrem a pista individualmente, e aquele que tiver o menor tempo registrado é considerado o vencedor.

 

Paraciclismo de Estrada

 

Essa modalidade do paraciclismo foi oficializada em 1984, e as competições hoje são consideradas extremamente estratégicas. Os atletas são identificados por diferentes cores de capacetes e o uso de HandBikes tem especial destaque tendo sido introduzido em 2004.

Os atletas fazem largada simultânea e aquele que for o primeiro a cruzar a linha de chegada é considerado o vencedor. Nessa modalidade o nível de força e resistência dos atletas é extremamente importante e a principal estratégia costuma ser aliar o ritmo com o posicionamento o que gera melhor desempenho dos ciclistas.

 

O ciclismo paralimpico é amparado pela União Ciclistica Internacional – UCI, que emite licenças e parâmetros para competições de diversas modalidades ciclísticas. Nessa modalidade a UCI determina medidas para abrigar toda a diversidade do paraciclismo, de acordo com os diferentes tipos de deficiência dos atletas. Atualmente são utilizadas as seguintes definições:

 

• LC: Locomotor Cycling (atletas com dificuldades de locomoção);

• LC1: Atletas com pequeno prejuízo, geralmente nos membros superiores;

•  LC2: Atletas com prejuízo físico em uma das pernas, sendo permitido o uso de

prótese;

• LC3: Atletas que pedalam com apenas uma perna e não usam próteses;

• LC4: Atletas com maior grau de deficiência, geralmente com amputação em um membro.

 

Inclusão e tecnologia

 

Dentre as ferramentas e equipamentos que hoje proporcionam a possibilidade de inclusão dentro do ciclismo, uma bicicleta que hoje tem ganhado muita visibilidade é a HandBike. A HandBike é um tipo de bicicleta adaptada para ser pedalada com as mãos. No paraciclismo ela é posicionada de forma deitada, ou melhor esportiva. É utilizada por pessoas com deficiência física como paraplegia ou ainda por pessoas com mobilidade reduzida.

Existem no mercado diversos tipos de HandBikes adaptadas de acordo com a necessidade do ciclista, podendo estar ser usada para fins esportivos que é o caso dos atletas do paraciclismo, mas também existem modelos mais simples para passeio ou modelos mais resistentes para trilhas.

 

A introdução da HandBike no paraciclismo hoje ainda é muito recente, mas já representa para o mundo paralimpico uma conquista tecnológica que nos permite acreditar que o mundo pode ser acessível para todos. Que as diferenças podem ser respeitadas e podemos sim vencer os obstáculos da vida real e porque não os das competições também na mesma medida.

Responder